Una News - Responsabilidade com a Notícia - Nosso WhatsApp (73) 99857-0585 Email: unanews@yahoo.com.br
JULIAN-CALCADOS
mercado-uniao-1
espaco-rural-placa-1-1
WhatsApp-Image-2023-07-13-at-11.39.39
escola_coopesul
unafisiombanner-1
CESTAODAECONOMIA
ECOMASTER
clinicavitamed
Cartao-de-visita-para-motorista-particular-simples-preto_20231014_003543_0000
mototaxi-1
GUTIERRE

UNA: PAIS DE BEBÊ QUE MORREU NO HSJ DIZ QUE VAI ACIONAR O ESTADO NA JUSTIÇA

  • Jorge Pereira:Jornalista-DRT 0005599/BA - 16/08/2016
                       
20160602_164040

Maria Eduarda, de apenas 14 dias, estava internada em estado grave, e aguardava vaga em (UTI) Neonatal, os pais irão responsabilizar o Estado/Imagem Una News.

Os pais do Bebê, Maria Eduarda Magalhães de Souza, de apenas 14 dias, que faleceu em 13 de junho deste ano, no Hospital São José, Maternidade Santa Helena em Ilhéus, com Infecção no Sangue, onde estava aguardando por um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal (Relembre aqui), disseram ao site Una News, nesta terça-feira (16), que já constituíram Advogados, e que irão acionar o Estado na Justiça, pela morte da filha.

Flávia Santos Magalhães, 23 anos, mãe do bebê, afirmou que houve negligência do Estado por não conseguir uma (UTI) Neonatal, no momento que sua filha estava em estado grave necessitando urgentemente da transferência.

Ainda segundo ela, no período que sua filha estava internada, a Comarca de Ilhéus da Vara da Infância e Juventude, através da Drª Juíza, Sandra Magali Brito Silva Mendonça, deferiu o Pedido de Antecipação de Tutela, dando um prazo de 48horas para que o Estado providenciasse a transferência do bebê para uma (UTI)- Neonatal. Mesmo com uma ordem Judicial, não foi atendida.

Flávia, ainda relatou que o motivo de acionar o Estado não é simplesmente por questões indenizatórias, mas, que o Estado não fique negligenciando e também não fique impune, pra que outros pais não venham chorar pela perda de um filho. “Não tem dinheiro que traga minha filha de volta, o que eu e meu esposo mais queremos, é responsabilizar o Estado pela morte da nossa única filha. Vivemos em um País, que o pobre não tem o direito de viver, se tem dinheiro, ainda tem uma chance de procurar um hospital particular, mas, se for pelo SUS tá “sentenciado” a morte” disse Flávia, revoltada com a saúde pública.

Compartilhe

Atenção:

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Una News. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS