Una News - Responsabilidade com a Notícia - Nosso WhatsApp (73) 99857-0585 Email: unanews@yahoo.com.br
JULIAN-CALCADOS
mercado-uniao-1
espaco-rural-placa-1-1
WhatsApp-Image-2023-07-13-at-11.39.39
escola_coopesul
unafisiombanner-1
CESTAODAECONOMIA
ECOMASTER
clinicavitamed
Cartao-de-visita-para-motorista-particular-simples-preto_20231014_003543_0000
mototaxi-1
GUTIERRE

JEQUIÉ: CANSADO DE SER ASSALTADO, COMERCIANTE PROMOVE VELÓRIO DA SEGURANÇA PÚBLICA

  • Jorge Pereira:Jornalista-DRT 0005599/BA - 23/07/2015
                       
Imagem Automática abaixo do botão

Insatisfeito com a escalada da violência na cidade, o empresário Renê Willians, proprietário de um supermercado no bairro Curral Novo, em Jequié, decidiu convocar outros comerciantes e moradores da localidade para promover, nesta quarta-feira (22) um ato público inusitado: o velório e sepultamento da ”segurança pública”. ”Contratamos esse velório e vamos fazer o sepultado simbólico no Cemitério São Sebastião, aqui no bairro, porque já não suportamos mais conviver com essa situação de insegurança”, desabafou.

Ele faz questão de salientar que a iniciativa visa unir forças de todos em defesa de direitos assegurados. ”Não se trata de um protesto para confrontar com ninguém e sim com a finalidade de buscar apoio para a resolução dos problemas que enfrentamos”, destacou.

Renê foi vítima de assalto à mão armada na segunda-feira, 20, nas proximidades do seu estabelecimento comercial quando se dirigia a uma agência bancária com R$ 28 mil (vinte e oito mil reais). Dois marginais, a bordo em uma motocicleta, levaram toda a quantia. ”Colocaram o revólver na minha cabeça, me retiraram do carro e levaram todo o dinheiro que eu ia depositar no centro da cidade”, relatou. Revoltado com a situação, o comerciante anunciou o fim das atividades do Correspondente Bancário, o único do bairro, que funcionava no seu supermercado.

O comerciante, que já foi vítima de vários outros assaltos em Jequié, afirmou que o mais revoltante foi o fato de ele ter acionado a polícia militar e o socorro ter chegando somente uma hora e 50 minutos depois. ”Todas as pessoas que presenciaram o meu sofrimento e a minha angústia também ficaram revoltadas com a falta de assistência em um momento de extrema necessidade”, concluiu.

Informações do site Jequié e Região

Compartilhe

Atenção:

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Una News. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS