Una News - Responsabilidade com a Notícia - Nosso WhatsApp (73) 99857-0585 Email: unanews@yahoo.com.br
JULIAN-CALCADOS
mercado-uniao-1
espaco-rural-placa-1-1
WhatsApp-Image-2023-07-13-at-11.39.39
escola_coopesul
unafisiombanner-1
CESTAODAECONOMIA
ECOMASTER
clinicavitamed
Cartao-de-visita-para-motorista-particular-simples-preto_20231014_003543_0000
mototaxi-1
GUTIERRE

SENADORA LÍDICE PSB CHAMA PT DE POLÍTICA EXCLUSIVISTA

  • Jorge Pereira:Jornalista-DRT 0005599/BA - 03/05/2014
                       
Ao lado de Campos, Lídice critica PT e assume oposição

Lídice assumiu oposição ao governo petista ao lado de Eduardo Campos
“Ninguém gosta de café requentado ou de chocolate frio. Não queremos a continuidade dessa política exclusivista do PT. A continuidade do PT significa o caminho da não política”, disse nesta sexta-feira, 2, Lídice da Mata, pré-candidata ao governo do Estado pelo PSB.

Lídice fez a afirmação para plateia de cerca de 500 pessoas no auditório de uma faculdade privada em Ilhéus, no sul baiano.

Após muito protelar, o PSB da Bahia aproveitou a passagem dos pré-candidatos do partido à Presidência, Eduardo Campos e Marina Silva, para assumir, finalmente, a oposição ao governo do Estado.

Política do PT             

As pré-candidatas ao Senado e ao governo, Eliana Calmon e Lídice da Mata, não pouparam críticas ao estilo de política do PT no âmbito estadual e encontraram amparo na fala de Campos.

“As pessoas não querem a continuidade e não querem que o passado volte. O que acontece na Bahia é o mesmo que acontece no Brasil”, afirmou Campos, numa espécie de comício indoor – a legislação eleitoral impede que atos políticos sejam feitos em espaços abertos antes de 5 de julho.

O PSB da Bahia, que até dezembro do ano passado compunha o governo estadual com a Secretaria de Turismo, comandada por Domingo Leonelli, desistiu do tom comedido. As críticas não foram incisivas ao governador Jaques Wagner, porém o ex-secretário de Turismo usou um tom duro para avaliar o modelo petista de conduzir a política.

“Rui Costa não existe politicamente”, disse Leonelli . Eliana Calmon teve como alvo a administração de Wagner – ainda que não tenha citado o nome do petista. “Este governo faz a distribuição de acordo com as suas preferências político-partidárias. Eu não quero fazer a política que historicamente atravessou esse país. Eu quero fazer uma nova política”, defendeu a ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que costuma faz palestras pelo interior da Bahia.
UOL

Compartilhe

Atenção:

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Una News. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS