Una News - Responsabilidade com a Notícia - Nosso WhatsApp (73) 99857-0585 Email: unanews@yahoo.com.br
JULIAN-CALCADOS
mercado-uniao-1
espaco-rural-placa-1-1
WhatsApp-Image-2023-07-13-at-11.39.39
escola_coopesul
unafisiombanner-1
CESTAODAECONOMIA
ECOMASTER
clinicavitamed
Cartao-de-visita-para-motorista-particular-simples-preto_20231014_003543_0000
mototaxi-1
GUTIERRE

ILHA DO RATO: COMERCIANTES PROTESTAM CONTRA DESOCUPAÇÃO

  • Jorge Pereira:Jornalista-DRT 0005599/BA - 14/12/2012
                       
Imagem Automática abaixo do botão

  • Luiz Tito | Ag. A TARDE

    Comerciantes reclamam que estão sem espaço para trabalhar
Comerciantes de veículos que trabalham na feira de automóveis conhecida como Ilha do Rato, localizada na Praça da República próximo ao Feiraguai fizeram uma manifestação, na manhã desta quinta-feira, 13, para reclamar da desocupação do local. Eles reclamam que estão sem espaço para trabalhar já que o terreno onde funcionava a feira foi transformado em um estacionamento. Os manifestantes atearam fogo em pneus para impedir o tráfego no local, o que causou lentidão no trânsito.
“São sete anos de massacre, mas há dois anos a situação piorou e a cada dia vão diminuindo o nosso espaço de trabalho. Agora resolvemos parar tudo para chamar a atenção do judiciário que nos dê um resposta”, afirmou Mario Cesar Rocha Gomes, representante dos comerciantes.
Segundo ele, a Ilha do Rato existe há mais de 35 anos e existe um processo que tramita na 4ª Vara Cível da comarca feirense que impede que o local seja utilizado para o comércio de veículos. “A prefeitura tentou nos tirar daqui nos colocando para o lado do Estádio Jóia da Princesa, o que não foi aceito e hoje trabalhamos nos arredores de onde funcionava a Ilha do Rato, agora querem tomar tudo. Não vamos aceitar”, destacou, acrescentando que cerca de 100 pessoas sobrevivem da atividade no local.
Eles dizem que o estacionamento pertence ao presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes de Feira de Santana (Avamfs), Nelson Dias, que quer tomar todo o local para construção de um shopping. “Ele está construindo um novo muro ao redor do estacionamento para ampliar o local e nos proibiu de pararmos os veículos para vender no local, o que é ilegal. Não vamos sossegar enquanto a situação não for resolvida”, frisou.
Os manifestantes derrubaram o muro que estava sendo construído e impediram a entrada de veículos no estacionamento o que causou uma acirrada discussão com o responsável pelo local com trocas de insultos e empurrões. Policiais militares foram acionados para o local e tiveram que intervir. 
Nelson Dias diz que não há nenhum bloqueio às atividades dos comerciantes e que parte da área da Ilha do Rato foi transformada em um centro comercial para abrigar os ambulantes que tinham ponto no local. As obras foram custeadas através de um convênio entre o município, a Avamfs e uma empresa privada. “Estes ambulantes estavam em barracas improvisadas e até impedindo a utilização da calçada, então construímos estes boxes e eles estão comercializando em um local padronizado”, disse.
Quanto à área do estacionamento, alvo do litígio em júdice, Dias disse que possui um dono e que ele apenas administra. “Temos esse contrato de aluguel. Eles não são donos da área, só estacionavam os carros para vender aqui. Eles continuam trabalhando ao redor da Ilha e querem um espaço que não é deles”, explicou.
Ele negou que o espaço esteja sendo ampliado e alegou que o muro estava sendo construído para evitar que novas barracas fossem instaladas no local. “É temporário, assim que for definida a situação na justiça retiraremos o muro. Tudo que estamos fazendo é com autorização”, garantiu. O tráfego no local voltou ao normal no final da manhã com a chegada do Corpo de Bombeiros que apagou o fogo e desobstruiu a pista.
FONTE:http://atarde.uol.com.br

Compartilhe

Atenção:

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Una News. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS