Una News - Responsabilidade com a Notícia - Nosso WhatsApp (73) 9-9872-3086/9-9954-3601 Email: unanews@yahoo.com.br
  • Contra as propostas de reformas trabalhista: Marcha para Brasília acontece no dia 24 de Maio

    • Jorge Pereira - 17/05/2017

    Força convoca para manifestos e atos contra as propostas do Governo.

    Reformas trabalhista

    As centrais sindicais Força Sindical, CTB, CUT, UGT, Nova Central, Intersindical, CGTB e CSP-Conlutas realizarão, no dia 24, uma Marcha a Brasília em protesto contra as propostas de reformas trabalhista e previdenciária, que estão em tramitação no Congresso Nacional. “Unidos, vamos lutar para manter os direitos dos trabalhadores”, declarou Paulo Pereira da Silva, Paulinho, presidente da Força Sindical.

    As centrais estão se reunindo semanalmente para planejar a mobilização dos trabalhadores. Os dirigentes sindicais, após a definição do dia 24 de maio como a data da grande Marcha das Centrais a Brasília, discutiram a mobilização e a infraestrutura que será construída pelas centrais. A Marcha ocupará Brasília na semana da votação da PEC 287 (Previdência) pelo plenário da Câmara dos Deputados. “Queremos uma Previdência justa e sem privilégios”, diz Paulinho.

    No dia 11, Paulinho fez um discurso no plenário do Senado, na Sessão Temática realizada para debater a reforma trabalhista. Ele disse que “o Senado precisa fazer reparos no Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017, a chamada reforma trabalhista, para corrigir equívocos impressionantes contidos na proposta.

    Para Paulinho, entre os equívocos está a onda contra o movimento sindical, que enfraquece somente os sindicatos de trabalhadores ao permitir a criação de comissões no interior das empresas, nas quais os empresários poderão dar opiniões quanto à sua composição no intuito de fazer a livre negociação dos salários. Os sindicatos dos patrões não terão mudanças.

    “Não posso dizer que não teve debate na Câmara. O relator ouviu, mas não atendeu às nossas reivindicações. Espero que o Senado faça os reparos necessários”, destacou o presidente da Força Sindical. Para Paulinho, o Senado precisa corrigir, senão vai destruir a organização dos trabalhadores, o que nem a ditadura conseguiu.

    Paulinho lembrou, ainda, que todos falam que os sindicatos não servem para nada, mas eles negociam e aumentam os salários de sindicalizados ou não todos os anos. “Garantimos o mercado interno para fazer a economia girar”, disse.

    Outros pontos citados pelo presidente da Força foram a contratação de PJs (Pessoa Jurídicas), o que reduzirá a formalização (contratação em carteira) e a arrecadação do governo; a jornada intermitente, que impõe pagamento de multa se o trabalhador não conseguir comparecer ao trabalho quando convocado; o pagamento de indenizações em espécie dentro das empresas; a possibilidade de acordo, com saque de uma parte dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que vai minar o dinheiro do Fundo.*Força Sindical

     

    Compartilhe

    NOTÍCIAS RELACIONADAS